sss



31 maio 2009

dedos nos dedos

cordoAMA



30 maio 2009

anjos urbanos



Inaugurou da semana semana a exposição do fotógrafo José Cabral, Anjos Urbanos, na P4 Photography Gallery. Os trabalhos apresentados (resultantes de 1979 a 2002) são fotografias de crianças vivendo em Maputo, no Moçambique. Nascido em Lourenço Marques (Maputo) em 1952, José Cabral é um dos mais famosos fotógrafos de Moçambique. É o primeiro a fazer a transição entre o tradicional fotojornalismo documental e uma fotografia mais pessoal.

mais aqui

29 maio 2009

o poder da voz


O Ípsilon deu um enorme destaque à Carminho. E fez bem. (há anos que previa a consistência desta voz).
Não tenho medo, sabe? Agora estou a viver isto e a gozar isto. Se eu começar a preocupar-me com o que vem aí não gozo o que estou a viver agora. As coisas foram sempre acontecendo. Há-de vir aí qualquer coisa.
O registo do irmão de sangue também vale a pena. Esta interpretação do deslumbrante homem da cidade de Ary dos Santos na voz do Francisco é absolutamente avassaladora.
Alguém sabe do rasto deste Deus grego do fado?




Descobrir l na extensão dos campos imprecisos


clique na imagem ou aqui páginas 12 e 13.

É na extensão dos campos imprecisos, que abraço a beleza das montanhas da margem do Douro. Perante um cenário que, acima de tudo, deve ser entendido como uma pura contemplação ao êxtase, a morada privilegiada rende-se à perfeição do rio sereno. Esta semana, e com as palavras de Torga, um elogio a uma paisagem mais secreta e mais nossa, que veio do incêndio simplesmente, para refrescar o mundo.

"might" fever





28 maio 2009

simbiose



talvez fosse esta a chuva de Al Berto,
a chuva que limpa a morte dos dias.

video

27 maio 2009

"deixa-me dar-te o Verão"



nas madrugadas em que perdemos a lanterna,
nas noites em que sonhamos a cores,
mas acordamos a preto e branco,
inundo-me com os poemas do Tolentino.

se às mãos devemos também
a solidão mais implacável,
se hoje tenho coragem
para arder a minha casa e fugir de bicicleta,

as palavras do poeta, hoje distante,
abraçam-me antes de partir.

o Verão,
tem coisas que não precisam de nome.
e hoje,
hoje não deixo o amor
refém dos mal entendidos do mundo.

26 maio 2009

cinelençol


é já na quinta-feira, a primeira sessão de public screening de curtas metragens de YouTube em Lisboa. O MAL improvisa a sala de cinema em pleno jardim, na meia-laranja defronte da Casa do Marquês de Pombal. Para quem não sabe é na Rua do Século, a um salto do Bairro Alto.

25 maio 2009

comming soon


O System (re)Active, é a reactivação do projecto de design System 2k07. Esta linha de malas e outros objectos define-se como um sistema aberto de design, onde num permanente work in progress se desenvolvem novas valências e soluções segundo premissas projectuais definidas internamente e questões emergentes afectas ao melhor desempenho dos produtos. Este projecto tem uma forte componente comercial e de evolução gráfica, formal e funcional e apresenta-se pela primeira vez em Portugal na cidade do Porto. Conta com o apoio de Galeria de Arte Fernando Santos e Appleton Square.
mais aqui.

plataforma revólver



num dos mais promissores bairros de Lisboa,
obrigatória a exploração até ao cume,
no 84 da Rua da Boavista.

24 maio 2009

na margem do dia claro



sem nome,
ou tempo que o nomeie
e enquanto o vento invade
o oculto lugar sagrado,

em silêncio,
ou de mãos atadas,

hoje,
o tempo
espera por mim.

elegy

o animal moribundo ainda não estreou esta semana.
como redenção, aqui fica o conto de natal.
está no king e aconselha-se aos mais inconformistas.

22 maio 2009

GQ l Pelas ruas da cidade



antes de libertar o texto queria partilhar que em nome do"deserto do mundo", vale a pena comprar a edição em papel, para ler a cumplicidade do MST com a sua Mãe Sophia.

Na terra da alegria
É num voo limpo que me estendo na calçada mediterrânica de Barcelona. Longe da arrogância que muitas vezes a descreve, as pétalas desta cidade chegam-me pela gentileza não esperada dos catalães que me ajudam a transportar uma mala que não é de cartão. Sem imaginar de frente os planos de Ildefonso Cerdà, numa cidade onde habitam os sorrisos largos, o equilíbrio e a criatividade, os habitantes reflectem-se vivos a qualquer hora do dia. Seja pelas geniais bicicletas bicing’s à disposição dos moradores, seja pelas frondosas árvores que acolhem o movimento das ruas, seja pelas esquinas canteadas, a sensação é de uma imensa liberdade. As grandes descobertas do reencontro com a capital catalã tiveram dois momentos elevados: um quando sem expectativa descobri a recente e deslumbrante livraria Bertrand no número 37 da Rambla Catalunya, no antigo Cinema Alcázar e o segundo quando me perdi sem tempo na Kowasa, uma das melhores livrarias de fotografia europeias, no número 235 da Calle Mallorca. Elevando as seguintes imagens de redescoberta, a energia do bar do Hotel Oom faz-me esquecer por instantes a falta de jardins no centro da cidade. Se os aeroportos me estendem sempre a uma intimidade do desconhecido, nesta morada vivi uma das mais ricas experiências da cidade de Barcelona. Com uma energia eclética e do mundo é a seguir ao jantar que o hotel ganha uma dinâmica mais viva entre os viajantes presentes. O lugar de eleição é na Arne Jacobsen Egg Chair de cor verde, que junto à empilhada e exclusiva prateleira de livros à disposição, nos resgata a uma flute de champagne obrigatória.

No mais trendy hotel da capital
É sem dúvida o mais fashion hotel da capital e na busca da perfeição, emprestava-lhe a vista da varanda do hotel do Bairro Alto. Mas porque este hotel brilha sem precisar da magia do Tejo, a estética do Fontana Park Hotel é suficiente a uma capital que peca por falta de moradas para viver after work. Porque o ponto de encontro se constrói pioneiro, o convite abraça todos os dias da semana, numa experiência de bar de hotel, um local sempre fulgurante nas restantes capitais europeias. Com uma aposta forte na conquista dos viajantes da cidade, as segundas-feiras oferecem um cocktail Sensation no restaurante Saldanha-Mar, as terças e quartas além de um DJ ao vivo, presenteiam respectivamente miniaturas de sushi e aperitivos portugueses com qualquer bebida. Às quintas uma fusão de aperitivos mixfood & design e às sexta uma bebida na escolha do buffet mediterrânico. Ao Sábado a dádiva goza de uma noite japonesa, com menu degustação no restaurante Bonsai e o Domingo serena-nos com o chá das cinco, num dos terraços mais relaxantes de Lisboa.

Na linha da frente
Sempre na linha da frente como a mais extraordinária morada de gourmet da capital, o Delidelux abraça o Tejo, desta vez, com os chocolates artesanais da Bovetti. Negro, de leite ou branco, a escolha é sábia: com pepitas de framboesas, menta azul, gengibre, laranjas confitadas, pimenta, chá, lavanda, canela, ou violeta, as tentações são apetecivelmente originais. A destacar ainda as versões biológicas com pura manteiga de cacau, e a versão das tabletes de chocolate com originais pedaços de urtiga.

a menina canta?


na mais extasiante varanda da cidade, fui abordada por um estrangeiro que me perguntou se era "aquela famosa" cantora portuguesa. infelizmente não me soube explicar qual.
segredei-lhe que esse teria sido um outro destino
o mais magnânimo.

addicted to


ou um orgasmo auditivo.

mude


o mude inaugurou hoje ao fim da tarde.
um notável pau de fósforo
para a mudança de energia da restante Rua Augusta?





Descobrir l um toque mais puro


clique na imagem ou aqui páginas 12 e 13.
Se a Cleópatra ou mesmo Maria Antonieta partilhassem os tesouros de uma pele exemplar acreditaria que seriam da mais consistente marca de cosméticos do mundo. Com uma gaivota no logotipo, roubado ao filme Jonathan Livingston Seagull, Albert Laporte ilustra a simplicidade a filosofia que tanto tem defendido ao longo da sua carreira: o ser humano existe para aprender e deixar uma herança de conhecimento. Tudo por um toque mais puro.

21 maio 2009

o animal moribundo



David Kepesh tem cabelos brancos e mais de sessenta anos, é um eminente crítico cultural da TV e conferencista de grande mérito numa universidade de Nova Iorque, quando conhece Consuela Castillo, uma estudante bem-comportada e de boas maneiras, com vinte e quatro anos e filha de exilados cubanos ricos, que lança imediatamente a vida do professor num tumulto erótico.
Desde a revolução cultural dos anos 60, quando deixou a mulher e o filho, Kepesh experimentou viver aquilo a que chama uma “virilidade emancipada”, fora do alcance da família ou de uma parceira. Ao longo dos anos refinou essa exuberante década de protesto e licenciosidade com uma vida ordenada em que é simultaneamente livre no mundo de Eros e estudiosamente dedicado na sua actividade estética. Mas a juventude e a beleza de Consuela, “uma obra-prima de volupté”, transtornam-no por completo e uma enlouquecedora possessividade sexual transporta-o aos abismos do ciúme deformador. A despreocupada aventura erótica evolui ao longo de oito anos para uma história de cruel perda.

a adaptação do livro de Philip Roth estreia hoje no cinema.


a noite abre (...)



um nome arde tanto
de repente todos os caminhos parecem de regresso
a vida por si mesma não se pode escutar demasiado
a vida é uma questão de tempo
um sopro ainda mais frágil

a rapariga desce à pequena praça,
compra uma flor para ter na mão
uma forma intemporal de conservar
a perfeição ou a incerteza.


J.T.M.

19 maio 2009

Magnética #6



a Magnética continua deslumbrante.
no número seis, uma elevação ao cinema português.

no desenho

no desenho,
uma das mais sublimes transpirações de O'Neill.

18 maio 2009

miss Ελλάδα


hoje tive saudades disto.

17 maio 2009

bilhete postal


as palavras. trago-as comigo.

velocidade feérica


bastante metafísica para não pensar em nada

16 maio 2009

The L.S. by J. Alfred Prufrock




T.S. Eliot lido por Ian McKellen
roubado daqui

15 maio 2009

Descobrir l no plano maior


clique na imagem ou aqui páginas 14 e 15.

A minha Lisboa cresce acesa. No resgate da intimidade procuro lugares que me estendam a uma capital mais sincera. São projectos como a Trem Azul e como a Poesia Incompleta que me enaltecem numa cidade que se mostra nos exemplos rasgadamente ousada. Porque a felicidade contorna sempre os minutos mais limpos, partilho estes dois projectos como testemunho de uma Lisboa consistente que sem medo arrisca a visão de um dia ascendente. Na extensão do sonho alcançado pela realidade e recordando os meus dias na antiga Batávia, ainda uma das mais fascinantes livrarias do mundo. Sempre por um plano maior.

13 maio 2009

to hostel


são três os nossos hotéis baratos e com charme
eleitos pelo The Guardian
como os melhores do mundo.

para ler aqui.

12 maio 2009

a dança das palavras



com o apoio da Assírio & Alvim,
hoje são retomados os recitais de poesia no Bar da Barraca.
uma iniciativa louvável do Changuito,
que receberá Pessanha, Cesariny, Herberto e O'Neill.
todas as terças de Maio às 22h, a entrada é livre.

11 maio 2009

espectros




A cidade na ponta dos dedos l com o calor do Sul



clique na imagem ou se é assinante aqui.

No acolhimento à cosmopolita atmosfera paulista, Lisboa recebe um dos artistas de intervenção urbana mais conceituados a nível mundial. Ainda uma das coberturas mais famosas do mundo e os frutos secos da Boa Boca Gourmet, uma das marcas portuguesas mais divulgadas na revista britânica Wallpaper.

publicado na Revista Única do Expresso a 9 de Maio de 2009

"permanecer"



na eloquência do Tolentino,
no sempre abraço do amigo intenso,
na dádiva do tríptico de Herberto Helder,
ainda o reencontro
com um dos mais perseverantes monólogos do cinema.

nos dias felizes e não distantes,
nos tempos
em que somos tantas vezes estancados pela geração facebook,
olho com gratidão o momento elevado.

hoje,
basta-me o testemunho e a consistência

do amor raro.

08 maio 2009

coming soon



já reparam
nas copas dos jacarandás que enobrecem a cidade?

Descobrir l no solo da criatividade


clique na imagem ou aqui nas páginas 12 e 13.
A adrenalina suave da cidade de Barcelona merece a dedicação completa destas páginas. Numa semana onde a capital catalã se encheu de mundo para nomear o vencedor do El Botón El Botón Mango Fashion Awards, partilho o pensamento do criador Oscar de la Renta, quando verbaliza que para uma planta crescer, muitas terão de ficar pelo caminho. Porque o solo é de criatividade, as vistas das montanhas guardam-se convictas aos perseverantes.

07 maio 2009

o número um



depois do número zero, o número um.



mais sobre a Personal Time aqui.

"you already have the most difficult”


há quase um ano partilhei a minha Lisboa numa mesa de café no Fabrico Infinito do Príncipe Real. Um sueco (fotógrafo) e um holandês (jornalista de viagens) maravilhavam-se com a minha cidade e chamavam-lhe de “criativa, energética e tímida”.

a paixão foi tão grande que hoje recebo por e-mail este portal de imagens da nossa capital, em homenagem a uma visita que se fez transcendente.

the love boat


os contentores sempre me estenderam à ideia de mundo,
mas percebo que virar a cidade de costas ao rio
seja um pecado muitas vezes cometido na minha cidade.
(estou a pensar em bazucas e no que fizeram ao Cais do Sodré),

mas hoje não vou debater ideias, nem defender causas.
o tão esperado i está hoje na rua e trouxe-me esta notícia.

a verdade é que adoro jardins,
mas vou ter saudades dos love boat na margem do meu Tejo.

06 maio 2009

the Europe's most scenic capital



a nossa Baixa Pombalina está listada para voto nas seven urban wonders of the world.

ainda sobre Lisboa, o UCityGuides considera a nossa capital the Europe's most cenic capital and one of the world's most soulful cities:

Lisbon, The first capital of the global village.
Can Lisbon be Europe's new capital of cool? The words "new" and "cool" haven't really been associated with this city since the 16th century when it ruled over the world's first global empire, extending from Brazil to India. Vasco da Gama's expedition to the East brought it cultures and a touch of the exotic that Europe had never seen before - spices (cinnamon, pepper, ginger), foods (potatoes, pineapples, tea) and animals such as the elephant and rhinoceros that paraded by the city's waterfront.

para continuar a ler aqui.

a imagem é do RCB, com exposição patente aqui.

a margem


é no seu coração que todo o homem ri e sofre
é lá que as estações recolhem findo o fogo
onde aquecer as mãos durante a tentação
é lá que no seu tempo tudo nasce ou morre.

hoje,
o que é preciso é dar lugar aos pássaros
nas ruas da cidade.
R.B.